sexta-feira, 16 de agosto de 2019

"QUANDO OS TONTOS MANDAM" - JAVIER MARÍAS - LEITURAS 2019 - XIII

Resultado de imagem para "QUANDO OS TONTOS MANDAM"   -  JAVIER MARÍAS

Neste livro de 301 páginas, deste escritor espanhol, Javier Marías, nascido em Madrid há 57 anos, estão reunidos noventa e cinco artigos, publicados no suplemento semanal do jornal El País, entre Fevereiro de 2015 e Janeiro de 2017.

Tal como se lê na contracapa,vivemos num tempo em que as pessoas não têem tempo até as crianças já não o têem, com tantas actividades extra-escolares e distracção "obrigatória" na companhia dos pais, que passam o fim de semana e as férias com a língua de fora. 

Nos anos cinquenta e sessenta do séc. XX as crianças tinham manhã, tarde e noite, todos muito longos. Naquele tempo havia tempo para tudo.

Esta e outras situações  são aqui deliciosamente retratadas, com sentido de humor, educação e distanciamento do politicamente correcto!

Javier Marías apresenta aqui novas perspectivas para os acontecimentos que, aos seus olhos, marcam o mundo actual.

Fala de escritores:
Conrad detestava Dostoievisky,
- Nabokov desprezava Faulkner e muito mais, 
- Faulkner não estimava muito os seus pares com a excepção de Thomas Wolfe, 
- Truman Capote lançava farpas a quase toda a gente.

Fala de livros:
-O universo literário rejubilou com os seis tomos de A MINHA LUTA, autobiografia ou semificção do norueguês Karl Ove Knausgárd. 
Depois de 300 páginas (poucas de um conjunto de 3.000 ou mais) fiquei desconcertado. Não me eram odiosas, nem pouco mais ou menos, mas há muito tempo que não lia páginas tão simplórias e tolas. Será defeito meu ou impaciência (relativa), mas não compreendo o entusiasmo global despeitado em críticos e escritores.  

Sobre o politicamente correcto:
-O Sindicato de Estudantes da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres "exigiu que desaparecessem do programa filósofos como Platão, Descartes e Kant, por serem racistas, colonialistas e brancos".

-Nalgumas escolas norte-americanas pede-se a proibição de clássicos como "Mataram a Cotovia" e "Ucleberry Fin", porque neles aparecem "afrontas raciais"


Resultado de imagem para javier marías
JAVIER MARÍAS -  Madrid 1951

Li e reflecti:

-arvoram telemóveis e param a cada passo a fotografar o que não olham

-o melhor instrumento de propaganda e intoxicação que jamais existiu -as redes sociais-

-Se não se tem nada de agradável para dizer, é melhor não dizer nada.

-Hoje parece que aquele que não se indigna continuamente por alguma coisa -tenha ou não razão, tenha ou não importância- é um acomodadiço, um domesticado, um dócil, um submisso e um tonto.


0 - li, mas foi zero
1 - desisti
2 - li, mas não me cativou
3 - razoável
3,5 - interessante
4 - bom
5 - muito bom
6 - excelente

7 - obra prima

Sem comentários:

Enviar um comentário